quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

APRENDA COM SEUS ERROS





A maioria de nós não fomos ensinada a pensar que a primeira coisa a fazer é tratar de nossos erros. E mais fácil dizer: "Se meu cônjuge não fosse assim, eu não seria como sou"; "se meu cônjuge não fizesse isso, eu não faria aquilo"; "se meu cônjuge mudasse, eu mudaria".
Casamentos são construídos com base nessa idéia. 
Segundo as palavras de uma esposa: "Se meu marido me tratasse com respeito, eu conseguiria ser carinhosa; mas quando ele age como se eu fosse escrava, tenho vontade de desaparecer". Para dizer a verdade, entendo essa esposa, no entanto, graças à abordagem de "esperar que meu cônjuge mude" milhares de casais chegam a um estado de desespero emocional tão grande que acabam optando pelo divórcio quando um dos cônjuges conclui: "Ele (ou ela) não vai mudar nunca; assim, é melhor eu cair fora". 
Se formos honestos conosco, teremos de admitir que simplesmente esperar não funciona. As poucas mudanças ocorridas são resultantes de manipulação — pressão física ou emocional externa exercida com o objetivo de obrigar o cônjuge a mudar. Infelizmente, a manipulação cria ressentimento, e, depois da mudança, o casamento fica pior do que antes.  
Se você está passando por isso, como eu passei nos primeiros anos de meu casamento, espero que esteja aberto para outra abordagem, uma forma eficaz de lidar com a situação sem gerar ressentimento.
Não será fácil aprender a lidar primeiro com os próprios erros. Se eu lhe desse uma folha de papel, e quinze minutos para você anotar as mudanças que gostaria de ver em seu cônjuge, provavelmente a lista seria longa. No entanto, se eu lhe desse outra folha de papel e mais quinze minutos para fazer uma lista dos próprios defeitos — aquilo que você precisa mudar na maneira de tratar seu cônjuge —, sua lista provavelmente seria curta.Isso eu concordo pois antes de postar esse artigo.
As listas típicas dos maridos relacionam vinte coisas erradas com a esposa e apenas quatro com eles mesmos. As listas das esposas não são muito diferentes.
Não é fácil tirar a viga do próprio olho, mas deixe-me sugerir três passos que o ajudarão a fazê-lo.

PRIMEIRO PASSO: PEÇA AJUDA EXTERNA
  • Converse com Deus 
  • Converse com os amigos (as) de sua confiança 
  • Converse com seus pais ou os pais do seu cônjuge. 
  • Converse com seu cônjuge

SEGUNDO PASSO: REFLITA SOBRE AS INFORMAÇÕES QUE VOCÊ JUNTOU
TERCEIRO PASSO: CONFESSE

No próximo artigo será claramente descrito os passos importantes para identificar seus próprios erros, explicado cada um deles.


Referências:
Gary D. CHAPMAN, AS cinco linguagens do perdão, São Paulo: Mundo Cristão, 2007



*S2* "Estou convencido de que aquele que começou a boa obra em vocês, vai completa-la até o dia de Cristo Jesus." (Filipenses 1:6) *S2*

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por visitar meu blog e ler esse artigo.Deixe aqui seu comentário!