segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Oração da Cozinha


 
Ó Senhor, de todas as panelas e outros utensílios.
Como eu não tenho tempo para ser,
Um santo a realizar belas ações.
Ou a vigiar, nas horas tardias da noite,

Ou sonhar à luz das madrugadas.
Ou bater aos portões dos céus,
Torna-me um santo que prepara refeições,
E lava as louças.

Aquece esta cozinha com teu amor
Ilumina-a com a tua paz
Perdoa-me por todas as minhas preocupações
E faz cessar minhas murmurações.

Tu que te deleitavas em dar alimento aos homens
Em casa ou à beira-mar.
Aceita o serviço que presto
Pois o laço para te adorar


*S2* "Estou convencido de que aquele que começou a boa obra em vocês, vai completa-la até o dia de cristo Jesus." (Filipenses 1:6) *S2*

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Tentações que mechem com Inconciente dos homens

O assunto que abordamos  a  seguir pode ser  um   ponto nevrálgico para algumas pessoas, contudo sinto que devo abor­dá-lo assim mesmo.
Que fazer com a questão de "excitar" um rapaz? É triste dizer, mas algumas moças e mulheres crentes são muito descuidadas a este respeito. Já vi mocinhas bonitas se comportarem de maneira a excitar os rapazes, e criar-lhes problemas de lascívia e pensamentos impuros. Uma encantado­ra jovem estava saindo do culto, certa vez, segurando o braço do namorado, caminhando despreocupada, permitindo que seu seio roçasse no rapaz. Será possível que ela não percebia o mal que estava causando a ele? Em outra ocasião, vi uma jovem encantadora sentada bem junto do namorado na igreja. 
Em dado momento, durante o sermão, ela inclinou-se e colocou a mão na perna dele. Foi um gesto que pode ter parecido muito inocente, mas era quase possível ver-se as fagulhas saindo daquele banco.

Uma coisa que todas as moças deveriam conservar em mente é que seu corpo é o templo do Espírito Santo. 2 Coríntios 6.1b declara.

"Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo."

Não somos os proprietários de nosso corpo. Fomos compra­dos por um preço, portanto, temos que glorificar a Deus com nosso corpo.

Isto nos leva a outro assunto — como você se veste? Existem três modos de vestir: (1) o estilo incitante, sedutor, com apelo para o sexo; (2) o estilo livre, que não seduz nem atrai, e que geralmente não é muito adequado, mas permite à mulher "ficar na dela" e manifestar sua rebeldia; (3) o estilo feminino e recatado que é belo e condizente, para quem os usa. 
O estilo "sexy" é representado por saias curtas, shorts, roupas justas demais, o abandono do soutien, decotes baixos que pouco deixam de resto para a imaginação masculina, e acabam-se tornando mais sedutores que bonitos. 
O estilo livre pode ser qualquer coisa, desde as calças jeans desbotadas até as roupas de estilo bem masculino. Estes dois modos de vestir podem atrair os olhares dos passantes, mas nunca de admiração. 
O estilo feminino é representado por roupas recatadas, que sejam elegantes e bonitas e que apresentem a mística feminina, que enaltece o homem. Precisamos ser recatadas, belas, atraentes, e, acima de tudo, femininas, como Deus nos fez.
Por que você se veste do modo como faz? Considere isto seriamente e dê a si mesma uma resposta honesta. Será porque você se considera apenas um objeto sexual, e isto é tudo que você tem, para atrair o homem de quem gosta? 
Sua aparência certamente revelará isto. Ou será que você está feliz de ser feminina, orgulha-se de ser mulher e quer representar o tipo de pessoa que pertence a Deus?
Em alguns casos, eu acredito que algumas mulheres não estejam conscientes do efeito que suas roupas produzem nos homens. Recentemente conheci uma mulher assim. Era uma boa crente, muito ativa em sua igreja, e, provavelmente, uma de suas mais fiéis visitadoras evangelísticas. Entretanto, as roupas que usava começaram a se constituir um problema para alguns homens. Usava vestidos extremamente curtos que deixavam à mostra grande parte de suas pernas bem feitas. Por fim, o pastor resolveu falar-lhe em particular, acerca do tumulto que estava causando, e orou para que não se ofendesse, mas que aceitasse aquilo que ele iria dizer-lhe com a atitude certa. Esta senhora não tinha a mínima ideia do problema que estava criando, nem de que suas roupas eram meio escandalosas. Seu sincero anseio era de agradar a Deus e ser uma testemunha do Cristo que nela vivia. Portanto, depois de agradecer ao pastor por haver-lhe falado de maneira tão sábia, ela decidiu vestir-se de forma mais recatada, mais condizente com a vida cristã. Foi uma reação de uma pessoa cheia do Espírito.


*S2* "Estou convencido de que aquele que começou a boa obra em vocês, vai completa-la até o dia de cristo Jesus." (Filipenses 1:6) *S2*

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Qual é A Raiz de Todos os Males?

"O AMOR ao dinheiro é a raiz de todos os males."
A dona de casa bem sucedida não deve cometer o erro de amar o dinheiro a ponto de tirar de ordem suas prioridades, e negligenciar coisas que são de verdadeiro valor.
 O desejo de possuir coisas tais como uma casa melhor, um carro mais novo, muitas roupas ou móveis mais bonitos, pode, com muita sutileza, levar a dona de casa a um estado de descontentamento e ambição.
O dinheiro não pode comprar a felicidade do lar, e se para conseguir o que desejamos precisarmos deixar o lar para trabalhar fora, então, provavelmente, devemos fazer um reexame de nossas priorida­des e senso de valores.
 A mulher cheia do Espírito deverá preferir agradar a Deus nesta questão, do que satisfazer seu anseio pelas coisas materiais.
Deste modo, ela pode buscar a orientação divina em tudo, e manter suas prioridades na ordem correta.
 
I Tim. 6:10, 11 – "Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores. Tu, porém, ó homem de Deus, foge destas coisas; antes, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Não tente modificar seu Marido!



Muitos maridos têm sido conquistados para Cristo por causa da atitude de constante fidelidade da esposa para com ele.
A mulher não deve tentar modificar o marido; ela precisa apren­der a aceitá-lo exatamente como é.
Alguns maridos se tornam muito exigentes e até impertinentes quando o Espírito Santo começa a convencê-los de pecado.
Geralmente, este período é de muito sofrimento e provação para a família, principalmente para a esposa. Ele precisa ser cercado de um espírito de oração e compreensão; ela precisa da plenitude do Espírito Santo para permanecer firme e calma.
É desígnio de Deus que a mulher se submeta ao marido, mesmo que ele não seja crente.

"Mulheres, sede vós, igualmente, submissas a vossos pró­prios maridos, para que, se alguns deles ainda não obede­cem à palavra, sejam ganhos, sem palavra alguma, por meio do procedimento de suas esposas, ao observarem o vosso honesto comportamento cheio de temor." (1 Pe 3.1,2 )

"Não seja o adorno das esposas o que é exterior, como frisado de cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário; seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incor­ruptível de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus." (1 Pe 3.3,4.)




*S2* "Estou convencido de que aquele que começou a boa obra em vocês, vai completa-la até o dia de cristo Jesus." (Filipenses 1:6) *S2*

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

A Decoração de sua casa condiz qual é o seu Temperamento

Seu lar e a maneira como você o arranja revelam-na como é uma dona de casa feliz e contente, ou como uma mulher, enfadada, sem nenhum interesse. 
Não é preciso que se possua mobiliário e aparelhos sofisticados e caros, É possível darmos à nossa casa uma aparência agradável, aconchegante e bem cui­dada, e ainda assim mantermos as despesas dentro de um padrão conservador. 
Se usarmos um pouco de imaginação, uma brocha de pintar, a máquina de costura, e algumas coisas que nós mesmas podemos fazer, veremos a diferença que isto fará.
A maneira como decoramos a casa poderá revelar alguns aspectos de nosso temperamento, ou do de nosso marido, dependendo de quem escolhe os objetos. Damos abaixo um resumo de gostos para cores, de acordo com os temperamentos.

Melancólico
Cores sombrias:  tons esmaecidos  de  marrom,   negro, cinza e vinho.

Fleumático
Cores suaves e primaveris, tons claros de verde, amare­lo, rosa e azul.

Colérico
Cores cálidas, outonais: ouro, marrom, vinho, laranja claro.

Sanguíneo
Cores vivas e brilhantes: vermelho, laranja vivo, amarelo.

Lembremo-nos, porém, de que estas preferências de cor não são absolutas, pois temos combinações de temperamentos, e isso acaba resultando numa mistura de cores. Mas acima de tudo, nosso lar, com suas cores, planos e aspecto geral, deve dar evidência de que Cristo habita no coração das pessoas que vivem nele.



*S2* "Estou convencido de que aquele que começou a boa obra em vocês, vai completa-la até o dia de cristo Jesus." (Filipenses 1:6) *S2*

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Simplesmente sendo UM!!!

     Quando nos casamos nos tornamos uma só carne, marido e mulher sendo um só corpo e uma só carne.
    Ossos dos meus ossos carne da minha carne, pedaços do meu coração, é maravilhoso o lar que serve ao Senhor.

O objetivo mais importante de cada casal é aprender a observar os princípios divinos para o casamento.
Os preceitos de Deus são verdadeiros, e funcionam. Ninguém pode atingir o seu nível máximo, como indivíduo, se Deus não ocupar uma grande parte de sua vida. O homem e a mulher são, basicamen­te, indivíduos egocêntricos, e o casamento é a mescla ou união de duas naturezas em uma só.
Portanto, para se ter um casamento feliz e bem sucedido, é importante que tanto o marido como a mulher sejam crentes em Cristo, e que ambos tenham entregado a ele sua natureza egocêntrica. Para atingir esta unidade em Cristo é imperativo que cada cônjuge seja cheio do Espírito Santo, e tenha uma natureza cristocêntrica. "Se,  porém,  andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado." (1 Jo 1.7.)



*S2* "Estou convencido de que aquele que começou a boa obra em vocês, vai completa-la até o dia de Cristo Jesus." (Filipenses 1:6) *S2*

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

A submissão é o desígnio de Deus para a mulher


 A mulher que realmente tem a plenitude do Espírito Santo quererá ser totalmente submissa ao marido. A despeito das reivindicações da atual corrente pró-emancipação da mulher, qualquer conceito que divergir do desígnio de Deus para as mulheres está errado. Ser submissa não significa que a mulher é propriedade do marido ou que possa ser manobrada por ele, mas, sim, que ele é o cabeça ou gerente do casal. Um gerente sabe desenvolver e utilizar os dotes dos outros. E é isto que Deus quer que o marido faça pela esposa. Ele a ajuda a desenvolver-se para atingir o ponto máximo de seu potencial. Ele supervisiona o lar como um todo, mas coloca-a na direção dos setores que ela dirigirá melhor. Uma mulher assim é verdadeiramente emancipada. A submissão é o desígnio de Deus para a mulher. O exemplo de Cristo nos ensina que a verdadeira submissão não é relutante nem eivada de queixas, nem resulta de uma autori­dade imposta; antes, é um ato de adoração a Deus, quando é uma atitude adotada por uma decisão livre, deliberada e voluntária dela para com o marido.

"Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo. As mulheres sejam submissas a seus próprios maridos, como ao Senhor; porque o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo salvador do corpo. Como, porém, a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo submis­sas a seus maridos." (Ef 5.21-24.)

Jesus era totalmente submisso ao Pai e desistiu de todos os direitos que possuía. Não perdeu sua identidade. Pelo contrário, ele sabia exatamente quem era e com que objetivo se encon­trava na terra. Embora houvesse se tornado servo, tomando a forma humana, ele sabia que era o Filho de Deus, igual a Deus o Pai. Na Trindade, existe uma perfeita unidade, igualdade e harmonia.

A submissão não é uma posição de inferioridade. O marido é o cabeça da mulher da mesma forma que o Pai é o cabeça de Cristo. Eles são iguais, e um só, mas deve haver um dirigente. Deus determinou que o marido fosse o chefe. Contudo, os dois têm que operar juntos, em equipe, completando-se um ao outro, e não competindo entre si.
Algumas mulheres agem com submissão, mas não têm uma atitude submissa. As mulheres, às vezes, pensam que é injusto que o homem sempre consiga o que quer na vida.
O exemplo que Cristo nos deixou não foi de uma injustiça da parte do Pai, pois Cristo foi o escolhido para se tornar servo. A Bíblia diz que ele se humilhou e foi obediente.
"Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornan-do-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte, e morte de Cruz." (Fp 2.5-8.)
 Depois o verso 9 prossegue dizendo que Deus exaltou a jesus e deu-lhe um nome que é sobre todo o nome.
"Para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai."(Fp 2.10,11.)

Ah, se pudéssemos apreender bem essa atitude do coração de Jesus, sua disposição de ser humilhado, de ser obediente até a morte e de ser submisso. É o princípio de perder a vida para ganhá-la. É quando a mulher se humilha (morre para si mesma) e submete-se ao marido (serve-o), que ela começa a encon-trar-se a si mesma dentro deste relacionamento. O servo é uma pessoa que se empolga com a perspectiva de conduzir ao sucesso aquele a quem serve. O pensamento do mundo permite que a mulher defina seus direitos e se bata por eles, embora no fim venha a perdê-los; mas os princípios divinos são humildade e submissão. Você pode ter uma vida plena, morrendo para si mesma e submetendo-se ao seu marido.
A esposa que realmente ama o marido fará da felicidade dele o seu principal objetivo. Com tal motivação, os dois sairão lucrando no fim.
Somente porque há conflitos e dificuldades, isto não signi­fica que temos que nos retirar. O divórcio nem sempre é a solução ideal. 
Quando duas pessoas se unem, com dois tempe­ramentos diversos, é natural que haja divergências de opinião. Quanto mais fortes os temperamentos, mais fortes serão os conflitos. Será preciso que os dois cônjuges permitam que o Espírito Santo assuma o controle de sua vida, para que eles vivam em paz e felizes.
Temos tido a alegria de ver muitos casais chegarem a esta conclusão, em seu relacionamento, após muitos conflitos, e depois conseguir que suas vidas e seu casamento fossem completamente transformados. Com o auxílio do Espírito Santo, seu casamento será para sempre.

*S2* "Estou convencido de que aquele que começou a boa obra em vocês, vai completa-la até o dia de cristo Jesus." (Filipenses 1:6) *S2*