sábado, 10 de setembro de 2011

Viva uma vida em Santidade



Muitos maridos têm sido conquistados para Cristo por causa da atitude de constante fidelidade da esposa para com ele.
A mulher não deve tentar modificar o marido; ela precisa apren­der a aceitá-lo exatamente como é.
Alguns maridos se tornam muito exigentes e até impertinentes quando o Espírito Santo começa a convencê-los de pecado.
Geralmente, este período é de muito sofrimento e provação para a família, principalmente para a esposa. Ele precisa ser cercado de um espírito de oração e compreensão; ela precisa da plenitude do Espírito Santo para permanecer firme e calma.
É desígnio de Deus que a mulher se submeta ao marido, mesmo que ele não seja crente.

"Mulheres, sede vós, igualmente, submissas a vossos pró­prios maridos, para que, se alguns deles ainda não obede­cem à palavra, sejam ganhos, sem palavra alguma, por meio do procedimento de suas esposas, ao observarem o vosso honesto comportamento cheio de temor." (1 Pe 3.1,2 )

"Não seja o adorno das esposas o que é exterior, como frisado de cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário; seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incor­ruptível de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus." (1 Pe 3.3,4.)
 
A maioria de nós, mulheres precisamos ser:
Ser controladas pelo Espírito de Deus; e ler regularmente a Palavra de Deus.
Amadas precisa­mos passar pelo menos de 5 a 15 minutos diariamente lendo a Bíblia, a fim de crescermos e caminharmos no Espírito.
Assim como nos olhamos ao espelho toda manhã para nos arrumarmos, assim também nos miramos no espelho da Palavra para nos cuidarmos espiritualmente.
Como isso poderemos transmitir a quem esta a nossa volta o brilho e o amor de Deus para com cada um. 


Com carinho na fé, Mirian Silva

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Quero mudar meu cônjuge: "... O princípio é começar da maneira certa."

COMEÇANDO DA MANEIRA CERTA
As pessoas que desejam ver mudanças no cônjuge sempre começam da maneira errada.
O mal exemplo nos relacionamentos é quando um dos cônjuges encontra alguém conhecido e já começa  falar mal do seu cônjuge.
Por exemplo, o marido encontra um amigo e começa a falar que sua esposa é terrivelmente desorganizada. Ela passa metade do dia procurando a chave do carro. Nunca sabe onde encontrar suas coisas, porque não se lembra onde as deixou. Não é um caso de Alzheimer — ela é bem nova. É um problema de desorganização. Ai ele diz pro amigo olha já tentei ajudá-la, mas ela não aceita nenhuma sugestão minha. Diz que estou querendo controlá-la. Mas não é isso. Só quero facilitar a vida dela. Se ela se organizasse melhor, com certeza minha vida também seria mais fácil. Perco um bocado de tempo ajudando-a a procurar coisas que ela perdeu.
Esse é o inicio, o amigo interessado no assunto pergunta: - Alguma outra área problemática? E logo o marido vai soltando aos poucos os detalhes de sua esposa e do seu relacionamento com sua esposa em casa.
- Dinheiro. Eu tenho um bom emprego e ganho o suficiente para vivermos tranqüilos, mas minha esposa, gasta além da conta. Ela nunca pesquisa preços, nunca pede descontos nem sabe aguardar as liquidações. Buscamos um consultor financeiro, mas ela não segue as orientações dele. Agora temos uma dívida muito alta e, mesmo assim, ela não pára de gastar.
O amigo pra não deixá-lo desconfortável pergunta:
- Há alguma outra coisa incomodando você?
- Na verdade, há sim. Ela também não se interessa por sexo. Parece até que poderia viver sem isso. Se não tomo a iniciativa, nunca acontece nada. E, mesmo quando eu a procuro, muitas vezes ela me rejeita. Eu imaginava que o sexo fosse uma parte importante do casamento, mas, pelo jeito, ela não pensa como eu.
No decorrer da conversa, o marido continuou falando de mais algumas frustrações decorrentes do comportamento da esposa. Comentou que havia se esforçado de todas as formas possíveis para fazê-la mudar, mas com pouquíssimo ou nenhum resultado. Estava pronto para desistir de tudo. Havia procurado esse amigo a fim de uma conversa com alguém pudesse ajuda-lo, dando-lhe conselhos de como poderia convencer a sua esposa a mudar em algumas coisas. Contudo esse é a versão do marido para um amigo. Se a esposa estivesse junto talvez a versão da historia fosse outra, diferente da de seu marido. Ela talvez falaria dos problemas dela com o marido, de como, em vez de ser compreensivo, o marido era exigente e ríspido. Talvez dissesse:
"Se meu marido fosse um pouco mais gentil e romântico, eu me interessaria por sexo". E comentaria: "Pelo menos uma vez na vida, gostaria de ouvir um elogio sobre uma compra que fiz, e não mais palavras de reprovação por gastar tanto". Em resumo, sua perspectiva seria: "Se meu marido mudasse, eu também mudaria".
Existe alguma esperança para esse casal? Eles podem conseguir as mudanças que desejam ver um no outro? Creio que sim, mas, em primeiro lugar, precisam mudar radicalmente a abordagem. Estão começando da maneira errada.
  
O princípio de começar da maneira certa, por exemplo, pode ser encontrado numa lição de Jesus, conhecida como Sermão do Monte. Farei uma paráfrase da citação de modo a aplicar o princípio diretamente ao relacionamento conjugai: "Marido, por que você repara no cisco que está no olho da sua esposa, mas não se dá conta da viga que está em seu próprio olho? Ou, esposa, como você pode dizer ao marido: 'Deixe-me tirar o cisco do seu olho', quando há uma viga no seu? Hipócrita, tire primeiro a viga do seu olho, então você verá claramente para remover o cisco do olho do seu marido". Em Mateus 7:3-5, paráfrase do autor.
O princípio é claro: você precisa começar com a viga em seu próprio olho. Observe com atenção que Jesus não diz: "Não há nada de errado com seu cônjuge. Pare de pegar no pé dele". Na verdade, ele sugere a existência de um problema com o outro quando diz: "Quando você tiver tirado a viga do próprio olho, poderá ver mais claramente e remover o cisco do olho do cônjuge".
Todo mundo precisa mudar em alguma coisa. Não existem cônjuges perfeitos — apesar de eu ter ouvido a história de um pastor que perguntou: "Alguém aqui conhece um marido perfeito?". Um homem no fundo da igreja levantou a mão sem hesitar e respondeu: "O primeiro marido de minha esposa". Assim, se existem maridos perfeitos, todos eles já morreram. Nunca encontrei um marido que não precisasse mudar. Também ainda estou para conhecer a esposa perfeita.
Na maioria das vezes, as pessoas não conseguem as mudanças desejadas porque não começam da maneira correta. Concentram-se nos defeitos do outro antes de tratarem das próprias fraquezas. Vêem um cisco no olho do cônjuge e tentam removê-lo lançando uma sugestão. Quando isso não funciona, pedem abertamente uma mudança. Quando essa abordagem encontra resistência, exigem a mudança em tom de ameaça. Por fim, partem para a intimidação e manipulação. Mesmo quando conseguem algum resultado, ele ocorre à custa de um ressentimento profundo da parte do cônjuge. Não é esse tipo de mudança que a maioria das pessoas quer. Assim, se você deseja, de fato, ver seu cônjuge mudar, precisa começar tratando dos próprios defeitos.

 Fonte: Livro de Gary Chapman "Como mudar o que mais irrita no casamento" com adaptações de Mírian Silva.

*S2* "Estou convencido de que aquele que começou a boa obra em vocês, vai completa-la até o dia de Cristo Jesus." (Filipenses 1:6) *S2*